Nascimento do CASA Latina

11313168_10153087972472893_7386629236020909740_o-300x300Durante o “Chamado da Montanha 2012”, na Colômbia, formulamos uma proposta de evolução para a existente Rede de Ecovilas das Américas (ENA/Ecovillage Network of Americas), que por sua vez faz parte da Rede Global de Ecovilas (GEN/Global Ecovillage Network).

De 5 a 7 de janeiro de 2012, um grupo formado por representantes de ecovilas e outras formas de assentamentos humanos sustentáveis, membros da antiga ENA e da GEN, redes e iniciativas de treze países voltados à regeneração planetária se reuniram na Ecoaldeia Atlântida, em Cajibio, Colômbia.

Naquela ocasião, expressamos opiniões sobre a necessidade atual do movimento de ecovilas (ecobairros, centros de permacultura, ecopedagogia, agroecologia e outras iniciativas de povos em transição latino-americanos) se juntar em uma rede de confiança que fosse integrada e autogestionada.

Manifestamos assim o desejo de ser parte de uma organização cuja visão, representação, decisão, participação e critérios de expansão fossem criados de forma autônoma. Com apoio de ambas as redes ENA e GEN, surgiu assim a proposta de criar o “CASA Latina” (Conselho de Assentamentos Sustentáveis da América Latina), como uma nova plataforma estrutural formada e representada por redes nacionais e biorregionais*.

Dia 6 de janeiro daquele mesmo ano oficializamos esta decisão consentida e celebrada por tod@s @s presentes.

Desde então, o CASA Brasil articula e fortalece iniciativas e redes brasileiras que promovem, educam, investigam e difundem estilos de vida sustentáveis e regenerativos, propiciando o apoio mútuo, o intercambio de informações, sabedorias, talentos, produtos e serviços entre @s membr@s e convocando encontros promovidos periodicamente pelas redes do CASA Brasil.

 

*Biorregionais: quando falamos em biorregiões consideramos a possibilidade da criação de redes que respondam à realidade ecológica além das fronteiras políticas, por exemplo: CASA Bacia Amazônica.